FLOR  OBSCURA

Pag Anterior
Pag Anterior
Pag Anterior
Pag Seguinte
Pag Seguinte
Pag Seguinte

                Para tristezas, para dor nasceste.

 

                            Antero de Quental, In Os Sonetos Completos.

 

     

LÁ vem num passo indolente. Conheço-a? Esguia e frágil. Seu rosto, levemente maquilado, emerge qual botão de rosa do capote que a envolve nesta ventosa manhã carioca. Singular mulher. Pálida e bela como visão romântica.

      Passou... Que vejo! Reconheço esses enormes envelopes azulados: são chapas de Raio X. Lá se vai num andar cansado e, com ela, a sentença de seu destino. Compreendo agora a razão do pesado capote, aquela ligeira inclinação de ombro, a palidez. Compreendo, adivinho-a. Certo, é uma débil flor de tronco arruinado. A condenação fatal corre em suas veias e, inexorável, há de cumprir-se. Pobre Leilah!

 

SIM, deixem-me supor, já que é esguia e frágil, deixem-me supor que se chama Leilah. Imagino sua infância: foi uma criança a quem a fragilidade não permitiu seguir regularmente o curso escolar. Enquanto as outras de igual idade seguiam para o grupo, contentes em seus uniformes, a menina triste ficava espiando da janela... Para ela vinha a professora a domicílio e as aulas eram uma obrigação monótona. Mais tarde, em casa, o piano exigia um esforço que Leilah não podia fazer. E de renúncia em renúncia ficou-lhe apenas - doloroso refúgio - o mundo dos livros. Os romances de Leilah. As suas fantásticas viagens entre quatro paredes!

      Mas aquele cansaço, aquele desânimo. E a pontinha de febre todas as tardes. Levaram-na ao médico. Não era nada, apenas minúscula mancha no pulmão direito, afecção que tratamento rigoroso faria desaparecer. Um ano. Dois anos. E desde então, além dos romances, que já não lhe proporcionavam prazer, mas tornaram-se um vício, os dias de Leilah encheram-se de trabalhosa ocupação: estas chapas mensais de Raio X. Pobre Leilah.

       Mas, pior que tudo isto - ela não sabe - amanhã terá que seguir para melhor clima, num sanatório de cidade serrana. De novo um médico afirmará que não é grave, e que em meses estará completamente curada. Uma esperança animará durante dias sua vida triste. Quem sabe! A Deus nada é impossível. Sanatório é para doentes: Leilah ficará sozinha, na sociedade de outros condenados. Cartas de casa. Palavras animadoras. Bençãos. Ela responderá dizendo-se melhor, que não tenham cuidado. Haverá alegria na família; atribuirão a um milagre. Conselhos piedosos. E ela atenderá; que não faz o desespero de um condenado?

     Mas... Ai, esta esperança, durará pouco mais de um mês, se durar tanto. Simples melhora com mudança de ambiente, os antigos sintomas voltarão. E mais tirânicos. Fastio, insônia, suores noturnos, e aquele nervosismo, aquela irritação a um tom de voz mais alto, um gesto indiferente, um rosto grosseiro. Certos dias o termômetro acusará 39º. Que pesadelo! Para que viver? Cartas sobre a mesa... Onde vontade para responder? E o espelho, meu Deus, que diz o espelho! Será mesmo ela? Largada na cama, aqueles olhos de negros cílios deixarão cair as pálpebras, não cheias de sono, mas de infinito desânimo... Viver ou morrer - ser-lhe-á indiferente. Até que uma noite, a um acesso mais violento de tosse, o lenço se maculará de vermelho. Serena, murmurará: "Acabou-se.  Antes assim". Não tocará a campainha. Para que chamar? Tudo é inútil. Deixar-se-á recostada nos travesseiros. Se o sono viesse e, com o sono, a morte libertadora!

 

"–LEILAH morreu! Leilah morreu!" - será a notícia brutal, uma manhã no Sanatório. Para que a ocorrência não perturbe os outros doentes, entender-se-ão por meias palavras; para não impressioná-los, depressa levarão dali Leilah morta. Prantos, desesperos, flores, muitas flores - presente inútil para Leilah. E à tarde, talvez uma tarde chuvosa, um coche seguido de dois ou três automóveis arrastar-se-á numa estrada lamacenta conduzindo um caixão pouco maior que o de uma criança, para um abandonado cemitério de vilarejo... O branco caixão de Leilah, a que nasceu para a morte.

 

Pag

 23/37

Mostrar Mais

cmp